Três perguntas para um tema: Transparência

A secretária- geral da ES Gás, Ariana Ferreira, avalia como a transparência pode ajudar as empresas a atingir níveis de governança ideiais e contribuir com a sua gestão.
1 - Há não muito tempo, vigorava a ideia de que “informação é poder”, em que os detentores dos dados angariavam uma vantagem em relação àqueles que não as possuíam. No início do século XXI, a transparência ganhou força no ambiente corporativo, permitindo que os stakeholders tivessem acesso às informações empresariais. Como você avalia essa transição?

Essa transição foi um marco essencial para as empresas passarem a atuar de forma mais engajada com uma gestão mais transparente, o que também foi primordial para contribuir com a implementação dos princípios da Governança Corporativa nas organizações, fundamentados na Transparência, Equidade, Prestação de Contas e Responsabilidade Corporativa. Posso dizer que ser transparente no ambiente corporativo significa também prezar por honestidade e conformidade, com clareza de informações. Aqui entendo que a comunicação clara e objetiva é fundamental e ganhou força também nessa transição, proporcionando essa transparência desejada no atual mundo corporativo. Hoje esse é um padrão mínimo esperado por empresas éticas e íntegras.

2 - No Brasil, uma série de escândalos motivou o aprimoramento das legislações vigentes, acelerando a adoção da transparência pelas empresas. Podemos considerar que chegamos, com o aperfeiçoamento dos últimos anos, a um patamar ideal?

Considero que as empresas brasileiras já evoluíram bastante, mas ainda não estamos num patamar ideal, pois o efetivo compliance deve “sair do papel” e ser permeado por toda a organização, refletindo-se na prática em todos seus processos e nas suas relações com os stakeholders. Hoje há importantes leis que disciplinam as práticas de compliance e estabelecem requisitos de integridade e conformidade a serem adotados nas empresas, mas entendo que ainda há um caminho a ser perseguido pelas organizações que não restringe às ações empresariais para atendimento às legislações, sobretudo as empresas estarem comprometidas em criar e/ou fortalecer uma cultura sólida baseada em comportamentos éticos, íntegros e transparentes, criando um ambiente corporativo que incentive a confiança, a responsabilidade, gerando valor à empresa e para todas as partes interessadas.

3 - Como o compliance pode ajudar as empresas a se adequarem às legislações e atenderem aos anseios da sociedade por empresas mais transparentes e éticas?

Identificar as barreiras, os riscos e os principais mecanismos de compliance são fatores essenciais à compreensão pelas empresas de forma integrada tanto na adequação às leis quanto no atendimento aos anseios da sociedade. Nesse contexto, a adoção de compliance traz uma reflexão e visão de caráter preventivo não se limitando ao cumprimento das imposições legais, mas também com práticas focadas no comportamento humano, pois fazer o que é certo pressupõe ter riscos menores e maiores resultados positivos, construindo uma empresa perene, sólida e rentável e com uma identidade segura e confiável na sociedade.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Outras notícias

ES Gás apresenta perspectivas do mercado na Oil&Gás Week
ES Gás apresenta perspectivas do mercado na Oil&Gás Week O diretor-presidente da ES Gás, H ...
Três perguntas para um tema: LGPD
Três perguntas para um tema: LGPD Antônio Freitas e a LGPD 1 -A Lei Geral de Proteção de Dados ...
Por um dia em homenagem ao gás
Por em dia em homenagem ao gás Heber Resende – Diretor-presidente da ES Gás Em 29 de s ...
Três perguntas para um tema: Segurança nas operações
Três perguntas para um tema: Segurança nas operações Frederico Bichara e a Segurança nas ...